Webmail

@cezarbritto.adv.br

Na área cível, focamos nas ações relacionadas à proteção aos direitos e garantias do consumidor, bem como na defesa da honra, da imagem, da personalidade dos indivíduos. Logo, nossa atuação compreende o contencioso judicial, em todas as instâncias do Poder Judiciário, bem como na demanda consultiva, através de orientações para fomentar acordos judiciais ou extrajudiciais, participando, ativamente, das negociações.

Praticamos, portanto, uma advocacia mais voltada para a resolução do conflito propriamente dita, num estímulo às estratégias negociais, com inicial tentativa de saídas extrajudiciais para as demandas. Ainda, em estímulo à solução consensual de litígios, contamos com advogados e mediadores capacitados para o exercício e acompanhamento das mediações extrajudiciais.

DENTRE AS ATIVIDADES, DESTACAM-SE:
  • Aconselhamento jurídico preventivo;
  • Ações indenizatórias;
  • Ações de anulação de negócio jurídico;
  • Ações de rescisão de contratos em geral;
  • Ações relacionadas às obrigações (fazer, não fazer e dar);
  • Advocacia de negociação;
  • Mediação de conflitos;

Especialistas

Artigos e Notícias Relacionados

Conselho Federal da OAB cria Comissão de Acompanhamento dos Conflitos Fundiários

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil criou por portaria nesta segunda (21) a Comissão Especial de Acompanhamento…
CONTINUE LENDO

Advogada que integra equipe Cezar Britto Advogados Associados é nomeada para compor Comissão Nacional de Estudos Jurídicos do Esporte

O Secretário Especial do Esporte do Ministério da Cidadania, Marcelo Magalhães, instituiu hoje (15) a Comissão de Estudos Jurídicos do…
CONTINUE LENDO
plano de saúde

TST determina que Correios não podem descontar salários de funcionários em greve

A ETC – Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos sofreu uma derrota no Tribunal Superior do Trabalho (TST). A ministra…
CONTINUE LENDO

Supremo vai ouvir CNBB em julgamento sobre Marco Temporal das terras indígenas

O Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou o pedido da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) para ser “amicus curiae”…
CONTINUE LENDO